Correspondentes do Estudo do Meio

Nos Estudos do Meio do Oswald, são nossos alunos que registram e comunicam suas experiências!

Os correspondentes do Estudo do Meio são alunos voluntários que querem ajudar a contar para a comunidade oswaldiana os aprendizados que adquirem nessa importante vivência de pesquisa e estudo. O 6º ano do Ensino Fundamental II está em São Luiz do Paraitinga e os alunos Luisa, Elis, Caio e Olívia irão contar, todos os dias, um pouco do que estão aprendendo na viagem que integra trabalhos de Ciências, História e Geografia.

Confira abaixo os relatos dos correspondentes:

Quarta-feira, 21 de março

Oi pessoal tudo bem aí?

Aqui é a Luisa Prado, Correspondente do Estudo do Meio em São Luiz do Paraitinga!

Hoje foi o 1º dia do Estudo do Meio, foi muito divertido e vou contar para vocês como foi.

Quando entramos na cidade de São Luiz do Paraitinga, já deu para notar muitas coisas: não tem semáforos, não tem metrô, não tem muitas lojas e nem muita gente na rua. O estilo das casas é diferenciado, são bem simples e nada modernas, mas têm um estilo e pintura super fofinhos!

Entramos em um coreto muito bonito e cheio de cores lindas no teto!

Logo depois (na própria praça do coreto) fizemos uma atividade super bacana de geografia, em que pegávamos uma foto e íamos para o mesmo lugar da foto e tirávamos outra foto (mais ou menos) igual, depois respondíamos umas questões sobre os lugares de que tiramos as fotos.

Em seguida fomos almoçar em um restaurante com uma comida ótima, para todos os gostos. Logo depois pegamos uma van e fomos ao sítio do alemão, onde fomos muito bem recebidos e conhecemos coisas muito legais. Primeiro, vimos muitas plantações de tudo quanto é tipo: alface, abóbora, tomate, brócolis e jiló! O alemão foi super gentil e deixou a gente degustar a alface que eles plantam lá. Também fomos para a plantação de brócolis, plantamos algumas mudas e vimos o incrível sistema de irrigação deles, que é fantástico!

Falamos também sobre como o esterco é importante para a plantação e o meio ambiente, e, sinto lhes dizer, mas esterco nada mais é que cocô de vaca! #meumundoacabou

Enfim, depois respondemos a um questionário da apostila do Estudo do Meio e viemos aqui para a pousada Primavera, onde deitamos na rede, tomamos banho, brincamos, fofocamos e fomos dormir!

por Luisa Prado

Quinta-feira, 22 de março

Hoje nós  fomos fazer uma técnica de construção, mais conhecida como pau-a-pique, primeiro nos contaram sobre os materiais usados, que são: terra sem nutrientes e água. Outras receitas incluem: fezes, sangue ou gordura animal, terra e água.

Juntamos os ingredientes de um monte simples no chão, que pisoteamos para misturar. Em seguida, fizemos bolas de barro para pressioná-las contra a parede de bambu para grudá-las e assim fazer uma parede.

Depois dessa atividade fomos fazer um floating pelo rio Paraitinga, discutimos muito sobre: deslizamento, a grande enchente e o motivo das águas serem turvas.

Depois nós fomos para uma cachoeira que fica em Lagoinha que tinha águas claras e era linda, mas tínhamos que ter cuidado e só passar pela cachoeira de bote, com capacete e colete. Depois nós fizemos um lanche com frutas.

Tivemos uma aula de Geografia sobre a pangeia para complementar uma poesia do Ditão (um contador de histórias do interior).

Vimos um grupo de Catira, uma dança tradicional da região, que tinha um menininho chamado Caio, que era muito fofinho. Fizemos um tipo de dança das cadeiras que no final deu um empate quebrando a cadeira.

E é isso, amanhã tem mais.

por Elis Ferreira

Ontem chegamos em São Luiz do Paraitinga e fomos para a igreja Matriz, onde fizemos uma atividade de localização. Depois comemos no restaurante chamado “Pôr do sol”.

Fomos ao Mirante fazer uma atividade com o Tarso, professor de Geografia, em que observamos cada ponto cardeal e descrevemos o que podíamos enxergar na paisagem.

Também, como promessa da monitora nós recebemos, cada um, um picolé!

À noite, depois do jantar, vimos as técnicas sobre como fazer paçoca e participamos de um jogo em que tínhamos que achar algumas palavras relacionadas ao trabalho. Foi um dia cansativo e divertido. Amanhã teremos muito mais!

por Caio Lemos

No primeiro dia nós fomos ao sitio do Alemão. O Alemão é um senhor que é dono de um sítio e planta brócolis e alface. Foi super legal! Nunca tinha visto uma plantação de brócolis. O ponto negativo foi o sol, que estava de rachar. Pelo lado bom, havia uma mangueira de água, para regar as plantações, que jogaram na gente pois estava muito calor. Eu adorei, mas teve gente que não gostou. Depois, fomos almoçar. Mas isso foi depois de termos ido para a cidade. Na cidade recebemos fotos e tivemos que encontrar o lugar de cada da foto. Como a cidade estava modificada foi difícil encontrar os lugares. Foi divertido!

Agora vou falar um pouco do segundo dia. Acordamos muito cedo e arrumamos a mala para ir à cachoeira e depois fomos tomar café da manhã. Estava muito bom, eu poderia ter comido toda a mesa! Mais tarde fomos pegar o ônibus para ir até a cachoeira, mas quando chegamos lá a cachoeira estava super violenta, então um dos professores teve que colocar uma corda pra não ultrapassarmos aquele ponto. E lá passeamos de bote. Foi super legal mas tinha que colocar capacete e colete salva vidas. No passeio tivemos aula de Geografia e depois um senhor chamado Ditão nos contou a lenda do Saci-Pererê. Depois o Ditão contou uma história de terror. Deu um pouco de medo!

Jantamos no mesmo lugar e teve uma espécie de balada. Depois teve a dança da catira. Algumas pessoas dançaram mas eu não, pois estava morta de sono.

Essas foram algumas das atividades que mais me marcaram na viagem. Espero fazer uma nova viagem logo, logo!

por Olivia Landa

Oi pessoal! Tudo bem aí?

O segundo dia do Estudo do Meio foi muito legal, vou contar para vocês como foi: começamos indo a uma fábrica de farinha, que produzia farinha normal e também farinha de milho.

Eles nos ensinaram como se faz farinha de milho e aprendemos um fato curioso: para fazer farinha de milho só é usada a parte amarela do milho? Super legal né? Ao acabar essa atividade, vimos a farinha pronta e poderíamos até compra-la!

Logo depois fomos visitar algumas igrejas da cidade: a Matriz e a Igreja das Mercês. O engraçado é que cada uma tem um “mini museu” mostrando o que a igreja passou depois da enchente e quem foram os seus restauradores. Na Igreja Matriz até tinham pedaços reais da antiga igreja, de antes da enchente e na Igreja das Mercês, nos disseram que lá tem uma passagem secreta! #choquemcomigoporfavor

Em seguida fomos à cachoeira onde foi super divertido e bacana e, logo depois, tivemos aula do professor Tarso, sobre a Pangeia, e ele nos mostrou um vídeo de uma teoria de como vai ser a terra no futuro! Todo mundo bateu palma quando a África se juntou com o Brasil!

Logo em seguida ouvimos histórias do maior contador de histórias da região, o Ditão! Ele contou várias histórias para a gente, como a do Saci e outras lendas, além de uns cordéis super legais.

Depois foi uma banda caipira chamada Raízes que tocou várias músicas para a gente e também nos ensinaram várias danças e juro que ficou tudo na minha cabeça.

“ aê, aê, meche o tacho de sabão,

Fica ligado,

Não encosta no tisão

Que leva breque o meu sabão”

“Vamo dança, a dança do vilão,

Aê, aê

A dança do vilão!”

por Luisa Prado

Sexta-feira, 23 de março

Começamos indo ao barreamento.

Eles nos mostraram uma técnica de construir casas chamada pau-a-pique. Para aprender como se faz, pegamos lama e colocamos dos dois lados de um buraco que é feito com uma “#” de bambu.

Fomos depois ao bote, fazer o floating.

Aprendemos o que é erosão e o que é assoreamento e como as montanhas não terem árvores prejudica todo o meio ambiente, por que ajuda a erosão, por fim também falamos um pouco da mata ciliar.

Depois fomos à pousada Primavera, almoçamos e voltamos a SP.

Foi muito legal fazer esses relatos para vocês!

por Luisa Prado

0 0 vote
Article Rating