A África e sua riqueza cultural encantam as crianças no Carnaval do Oswald

Por: Ieda Abbud, Lilian Leme e Equipe da Unidade Madalena

As Diretrizes Nacionais para Educação Infantil determinam que as propostas pedagógicas assegurem o reconhecimento, a valorização, o respeito e a interação das crianças com as histórias e as culturas africanas e afro-brasileiras, bem como o combate ao racismo e à discriminação.

Educar para a igualdade racial na Educação Infantil significa refletir e discutir no âmbito da escola e com as famílias, ter cuidado na escolha das atividades, projetos, livros, brinquedos e materiais gráficos colocados à disposição das crianças. Além disso, é importante também incluir essa temática no cotidiano escolar, oferecendo oportunidades para que as crianças conheçam e valorizem a cultura africana e o fundamental papel dos afro-descendentes na formação do povo brasileiro.

Neste ano, aproveitamos o Carnaval como uma oportunidade para conhecermos e valorizarmos um pouco mais da cultura africana e afro-brasileira, com as músicas dos grupos afros presentes no Carnaval do Brasil, em especial da Bahia e de São Paulo.

As crianças pesquisaram os instrumentos musicais oriundos da África, principalmente os tambores, as danças e as vestimentas de diferentes países africanos, elementos que marcaram e estiveram presentes enfeitando nossa festa de finalização do Carnaval.

A montagem de uma pequena exposição visou ampliar as investigações e conversas de cada grupo em torno da cultura africana, oferecendo alguns artefatos da arte e da cultura afro-brasileira, além de livros e imagens relacionadas ao tema para apreciação e valorização.

A montagem da exposição contou com a colaboração da equipe e das famílias, que enviaram artefatos e outros materiais.

Blocos afro-brasileiros

“Que bloco é esse? Eu quero saber.

É o mundo negro que viemos mostrar pra você…”

(Paulinho Camafeu)

O Carnaval deste ano, na nossa Educação Infantil, teve como inspiração os blocos afro-brasileiros, como o Ilê Aiyê e o Muzenza, da Bahia, ou os blocos paulistas Zumbido Afropercursivo e Ilú Obá de Min, esse último composto por mulheres que tocam tambores.

Para cantar no dia da festa de finalização do Carnaval, cada grupo escolheu uma música que homenageia ou é de autoria de um dos grupos mencionados: “Um Canto de Afoxé para o Bloco do Ilê” (Caetano Veloso) para o G2 A, B e C; “Patuscada de Gandhi“ (Gilberto Gil) para o G3 A, B e C; e “O Mais Belo dos Belos (Ilê Aiyê)”, para o G4 A e C.

A música “Que Bloco é Esse?” (Paulinho Camafeu) foi apreciada por todos os grupos e abriu a nossa festa de finalização. Confira algumas imagens da celebração de Carnaval deste ano.